TENDER CEARÁ

Navio construído para apoiar os nossos submersíveis F 1, F 3 e F 5, tendo como principais finalidades:

Sua construção peculiar permitia, pois, conduzir testes de estanqueidade dos submersíveis, que adentravam sua doca pela popa, docavam internamente e então se procedia teste hidrostático para verificar a estanqueidade dos submersíveis. Nessa ocasião, a grande porta externa circular da doca era colocada pelo lado interno do navio, para suportar a pressão.

*O tênder nunca serviu como meio de docagem dos submarinos, o que era inviável dada a ausência de escotilhas   que permitisse a evacuação dos langanhos, mexilhões, etc da fauna habitual que habita nossos cascos de navios."(Memórias - Renato de Almeida Guillobel - IBGE 1973, pg 87)

Logo após sua chegada ao Brasil foi incorporado à Esquadra (20/Abr/1917) e aos 25 do mesmo mês, foi subordinado à Flotilha de Submarinos, recebendo o pavilhão do Comandante da Flotilha de Submarinos e seu Estado Maior, bem como foi mandado estabelecer a bordo a Base da Flotilha de Submersíveis e a Escola de Submersíveis, que funcionavam em instalações provisórias na Ilha de Mocanguê Grande, baía de Guanabara.

tenderce.jpg (5821 bytes)

O Tender Ceará foi construído nos estaleiros da Fiat San Giorgio, em Spezia, Itália. Batimento da quilha aos 15 de julho de 1913. Lançado ao mar aos 7 dias do mês de setembro de 1915 (Navio Oficina), e aceito pelo governo brasileiro aos 16 de outubro de 1916.

Suspendeu de Spezia aos 15 de novembro de 1916, atracando no mesmo dia no porto de Gênova, onde recebeu a tripulação brasileira.

Aos 15 dias do mês de fevereiro de 1917, por solicitação do governo italiano, efetuou o salvamento do submersível F 8 da Marinha Italiana, que havia desaparecido a três milhas do golfo de la Spezia, em frente ao farol da Ilha  Fino, numa profundidade de 35 braças, quando realizava experiências de mar. A faina de salvamento foi realizada com êxito, tendo durado 24 horas, no decorrer das quais submarino foi içado pelos aparelhos da popa do Tênder e rebocado até Spezia.(CF Oswaldo de Mesquita Braga, subsídios para a História Marítima do Brasil, navio 236 - Ceará (II))

Suspendeu 20 de fevereiro de Spezia e chegou ao Rio de Janeiro aos 19 de abril de 1917, sendo submetido à mostra de armamento aos 28 de abril, passada pelo Inspetor de Marinha, CAlte Henrique Boiteux.

O Tênder Ceará, depois de quase trinta anos de ininterruptos serviços, deu baixa aos 21 de março de 1946.


Principais características:

comprimento total - 101,30 m

comprimento entre perpendiculares - 99,65 m

boca máxima - 15,75 m

pontal - 8,20 m

calado (doca aberta) - 6 m

deslocamento mínimo (doca aberta) - 3.500 tons

deslocamento máximo (doca cheia e c/submersível) - 5.740 tons

altura da borda livre - 7,40 m

propulsão - 2 MCI/2 tempos/6 cilindros cada/2.100 HP/Diesel

combustível - nafta (431 tons)

velocidade máxima - 14 nós

tripulação - 17 oficiais/176 praças


Características da DOCA

O navio possuía duplo casco.

O externo, comum, de aço homogêneo. O interno, de forma cilíndrica, de aço de alta tensão.

O casco interno, ou DOCA, possuía 20 picadeirosfixos e 2 móveis.

A porta, quase esférica, era atracada por 4 macacos e 8 atracadores. Possuía 4 compartimentos estanques sendo 2 alagáveis.

A DOCA era provida de olhais de manobra de docagem dos submersíveis, e pranchas de madeira em todo seu comprimento.

Ela podia ser alagada por 4 válvulas de fundo ou pelas 2 bombas de esgoto.

Quando a manobra era de docagem ou para o transporte de submersíveis, a porta era colocada pelo lado de fora.

Para os testes de pressão dos submersíveis, a porta era colocada pelo lado de dentro, função do sentido em que era aplicada a pressão.


COMANDANTES DO TENDER CEARÁ

CF Heraclito de Graça Aranha 18/Nov/1916 a 5/Mai/1917 CF Marcolino Alves de Souza 14/Abr/1930 a 26/Jun/1931
CC José Machado de Castro e Silva 5/Mai/1917 a 18/Fev/1918 CC Teobaldo Gonçalves Pereira 26/Mar/1931 a 22/Nov/1932
CF Protógenes Pereira Guimarães 18/Fev/1918 a 9/Set/1918 CC Joaquim Pinto de Oliveira 22/Nov/1932 a 5/Dez/1932
CF Wenceslau de Albuquerque Caldas 9/Set/1918 a 14/Jan/1919 CC Mário Azevedo Coutinho 5/Dez/1932 a 6/Mai/1933
CF Raphael Brusque 14/Jan/1919 a 5/Ago/1919 CF Aureliano de Almeida Magalhães 6/Mai/1933 a 16/Ago/1934
CF Marcolino Alves de Souza 5/Ago/1919 a 25/Out/1919 CF Odenato de Moura 18/Ago/1934 a 7/Mar/1935
CF Alfredo Amancio dos Santos 25/Out/1919 a 13/Out/1920 CF Raimundo Burlamaqui da Cunha 7/Mar/1935 a 17/Out/1935
CF Agenor Vidal 13/Out/1920 a 5/Dez/1921 CF Afonso Pereira de Camargo 17/Out/1935 a 11/Fev/1937
CF Joaquim Duarte de Lima 5/Dez/1921 a 23/Jan/1922 CF Oswaldo Mesquita Braga 15/Mar/1937 a 23/Dez/1938
CF Carlos Américo Reis 23/Jan/1922 a 10/Nov/1923 CF Braz Paulino da França 22/Dez/1938 a 16/Fev/1940
CF Raul Tavares 10/Nov/1923 a 23/Jan/1924 CF Christiano M de Figueiredo Aranha 16/Fev/1940  a 07/Jan/1941
CF José Machado de Castro e Silva 23/Jan/1924 a 10/Jan/1925 Hernani Fernandes de Souza 10/Jan/1941 a 06/Fev/1942
CC Arthur Elisiário Barbosa 10/Jan/1925 a 9/Fev/1925 CF Mario Lopes Ypiranga dos Guaranys 06/Fev/1942 a 12/Fev/1943
CF Joaquim A. Silva Ferreira 9/Fev/1925 a 8/Mai/1926 CF Edmundo Willians Muniz Barreto 15/Fev/1943 a 22/Mai/1943
CF José Siqueira Villa Forte 8/Mai/1926 a 12/Jul/1926 CF Antonio Maria de Carvalho 22/Mai/1943 a 22/Fev/1944
CF Augusto Pacheco A Araujo 12/Jul/1926 a 13/Fev/1928 CF Nelson Noronha de Carvalho 22/Fev/1944 a 12/Jul/1944
CF Oscar Assis Pacheco 23/Fev/1928 a ...... CF Antonio Maria de Carvalho l2/Jul/1944 a 07/Dez/1944
CC Mario Hercksher ..... a 18/Jan/1929 CF João Carlos Cordeiro da Graça 15/Dez/1944 a 28/Dez/1945
CF Julio Ramos Zani 18/Jan/1929 a 14/Dez/1929 CF Victor de Sá Earp 28/Dez/1945 até a  baixa
CF Benjamin Goulart 4/Dez/1929 a 14/Abr/1930

[Volta]