Iça o Dois!                     
 Número 44                                             JUL/2012
EDITORIAL

A cultura técnica das Forças Armadas brasileiras se apresenta de modo diferenciado, tanto no que diz respeito ao estado dos conhecimentos técnicos, principalmente aqueles referentes à obtenção dos ativos militares, como na própria integração. Em outras palavras, podemos observar que as Forças Armadas não praticam, de modo sistemático e uniforme, as boas técnicas de engenharia.

Hoje, pela necessidade determinada pela Estratégia Nacional de Defesa, mais que nunca há um impositivo de que as melhores práticas de engenharia sejam de uso comum e corrente, de modo a permitir a integração com a máxima eficiência das Forças entre si, delas para com a Base Industrial de Defesa, e sobretudo, com o próprio Ministério da Defesa, o principal responsável pela orientação e supervisão técnicas dessas instituições.

Um exemplo de que seja uma base comum de conhecimentos e que esses sejam praticados diuturnamente, é a adoção da disciplina Engenharia de Sistemas como processo de obtenção de ativos de defesa. O mesmo pode ser dito com relação à prática da Engenharia Logística, e de todas suas disciplinas correlatas.

Acima de tudo, é imprescindível a contribuição da prática dessas disciplinas para a eficiente veiculação de uma gigantesca quantidade de dados entre todos os atores interessados (stakeholders) na obtenção e na manutenção dos ativos de defesa, criando-se assim um ambiente de compartilhamento de dados, condição sine qua non para a almejada integração no setor de Defesa.

O esforço da UFF em constituir um veículo de aplicação e disseminação dos conhecimentos indicados no artigo anterior - Até que enfim ... Um bom começo!- sobre a UFFDEFESA, supre uma grande lacuna deixada pelo Ministério da Defesa, e se constitui num louvável esforço de uniformização de conhecimentos técnicos em área tão especial como a DEFESA.

O artigo seguinte, abordando o gerenciamento de conhecimentos técnicos na área de desenvolvimento, obtenção e manutenção dos ativos de defesa, no caso real da Marinha do Brasil, é parte de um conjunto já disseminado, e dá ao ao leitor idéia da complexidade da aplicação dos conhecimentos das disciplinas ora cogitadas.

 

 

 



SUMÁRIO

Até que enfim... Um bom começo!

A Busca de Grandeza (VII)


 

Exemplo: Ambiente de compartilhamento de dados