DESMEMBRAMENTO DA ESTRUTURA DE SISTEMAS

PARA USO NAS DIVERSAS ANÁLISES DO ALI E DOCUMENTAÇÃO DOS REQUISITOS DE RECURSOS DE APOIO

(DESTINADO À APRECIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ALI)

BreakDown.jpg (40724 bytes)/p<>

DEFINIÇÕES

SISTEMA - Mais alto nível do equipamento. Contém a totalidade das partes dos subsistemas para baixo, e é capaz de realizar uma missão operacional completa. Exemplos:   uma aeronave, um tanque, um sistema de mísseis, um caminhão, etc. A expressão sistema de armas principal aplica-se ao equipamento de natureza complexa e que tem um significativo papel tático ou estratégico.

Nota: em alguns casos em que vários sistemas são combinados, eles podem vir a formar um SUPER SISTEMA, O melhor exemplo de um super sistema é um NAVIO DE GUERRA, que consiste de muitos sistemas particulares. Por uma questão de padronização, contudo, o NAVIO DE GUERRA  é considerado, igualmente, como SISTEMA.

SUBSISTEMA -  a divisão principal de um ITEM  complexo é chamada de SUBSISTEMA. Ela resulta da combinação de CONJUNTOS, UNIDADES, GRUPOS. Desempenha uma função dentro do SISTEMA como um todo. Uma aeronave pode conter, entre outras coisas, um SUBSISTEMA RADAR, um SUBSISTEMA de AVIÔNICA, e um SUBSISTEMA DE PROPULSÃO.

Nota: no desmembramento da estrutura sistêmica,  em outros países, é considerado ainda o SET, entre SUBSISTEMA e GRUPO, cuja tradução seria igualmente CONJUNTO. Teríamos então RADAR SET, TRANSCEIVER SET, TEST SETS, etc. Como a definição de SET - a combinação de UNIDADES e GRUPOS capazes de desempenhar uma função operacional independente - é mais voltada  para o critério de realização de uma função, e pela proximidade com o SUBSISTEMA, e acima de tudo para, quando traduzido, não causar confusão com o ASSEMBLY, preferimos abandonar este nível SET no desmembramento da estrutura.

GRUPO - Igualmente GRUPO relaciona-se com a capacidade de executar uma função, e assim esperamos ter coberto o descarte do nível SET. GRUPO é a combinação de CONJUNTOS e UNIDADES que NÃO É CAPAZ DE EXECUTAR COMPLETAMENTE UMA OPERAÇÃO INDEPENDENTE, mas tem a capacidade de desempenhar um determinado papel na execução de uma função operacional.

Este nível é normalmente encontrado somente em ITENS complexos, e é usado para agrupar funções dentro do equipamento.

UNIDADE - O mais baixo nível do equipamento que é, normalmente, capaz de operar independentemente em mais de uma aplicação. É composta de PARTES, SUBCONJUNTOS e CONJUNTOS que são combinados para executar uma função distinta. Exemplos: um motor elétrico, um drive de disco em um computador, uma transmissão de um caminhão, etc.

CONJUNTO - Combinação de SUBCONJUNTOS  e PARTES formam um CONJUNTO. A diferença entre um CONJUNTO e um SUBCONJUNTO está no uso do ITEM. Um CONJUNTO, normalmente, capaz de executar uma função específica, enquanto que o SUBCONJUNTO é dependente de outros SUBCONJUNTOS para realizar uma função.

Um ITEM pode ser chamado de CONJUNTO numa aplicação e SUBCONJUNTO em outra. Exemplo de CONJUNTOS são fontes de alimentação, um cartão de circuitos eletrônicos, ou uma bomba de combustível.

SUBCONJUNTO - quando duas ou mais PARTES são combinadas de maneira que possam ser desmontadas, elas formam um SUBCONJUNTO. O SUBCONJUNTO é o mais baixo nível sobre o qual pode ser realizada MANUTENÇÃO pela substituição de PEÇAS/PARTES.

PEÇA/PARTE -  O mais baixo nível contido num ITEM de equipamento. O termo PEÇA é também usado. PARTE refere-se a uma PEÇA,  ou um grupo de PEÇAS, que NÃO PODE SER DESMONTADO SEM DESTRUIÇÃO. Exemplo de PARTE são porcas, estojos, resistores, ou microcircuitos. As PARTES são nomalmente descartadas quando falham.

Destas definições nascem os conceitos de SOBRESSALENTES  (ITENS REPARÁVEIS)(SPARES) e PARTES DE REPARO (ITENS NÃO REPARÁVEIS)(REPAIR PARTS)

Nota: ITEM - expressão genérica que significa desde EQUIPAMENTO,  a uma PEÇA.

E-mail  --> capetti@terra.com.br